Relacionamento · Término

“Tenho uma dor imensa que se chama ‘Adeus’…”- Como lidar com o término?

1403330_1415747148659896_907816707_o
Foto: Bára Vávrová Photography

De repente, você não tem mais aquela pessoa na sua vida. A presença dela foi se desvanecendo em forma de mensagens que param de chegar, “bom dias” e “boa noites” a menos, finais-de-semana que parecem grandes demais para um coração apertado e muito, muito dolorido. Você quase não consegue acreditar que acabou. Nos primeiros dias, parece não haver força que sustente a ausência: as lágrimas correm pelo rosto mesmo que você tente evitar o sofrimento. Parece que a tristeza precisa sair por algum lugar e o peito não dá conta de contê-la. Dói. Nos momentos com os amigos, um abrigo: um abraço, palavras que acarinham e até algumas risadas que aliviam. No trabalho, o desligamento necessário das emoções. Mas, nos intervalos da vida é inevitável: as lembranças retornam e fazem sofrer. O desespero bate à porta. O que fazer diante de um término?

Pode ser que você tenha se identificado, em parte ou totalmente, com a situação que eu descrevi aí em cima e esteja precisando de uma luz. Algo do tipo: “o que eu faço agora que acabou?” Pode ser que você tenha terminado nos últimos dias ou já há algumas semanas. Ou então, conhece alguém que esteja passando por isso e não sabe como ajudar. É uma situação muito difícil.

Nesse texto eu trago algumas dicas que podem ajudar. Vem comigo:

  • Abra mão do controle.

Em primeiro lugar, você precisa entender que não tem o controle completo sobre a sua vida a ponto de deixá-la exatamente como você quer, no tempo em que decide. Isso é impossível. Se você focar no momento presente da dor, será muito frustrante perceber que as coisas foram por um caminho tão doloroso. Mas, você precisa aprender a se tirar um pouco do afogamento nas emoções e olhar a sua vida como se a observasse “de cima”: reparar que ela muda e que, muitas vezes, a mudança que hoje te faz sofrer fará sentido amanhã. Ou seja, você está caminhando sempre. Tendemos a pegar a nossa dor e a visualizarmos com se ela fosse infinita, quando na verdade ela não é! As emoções têm um ciclo, e o processamento emocional da separação tem início, meio e fim. Para que isso aconteça, precisamos focar no nosso próprio caminho, independente daquela pessoa. Então, está na hora de você começar a focar na sua caminhada e tentar controlar menos as coisas à sua volta que não têm controle. Essa pessoa foi embora, mas você não pode ir embora de si mesmo! Comece agora.

  • A sua vida agora está desvinculada da outra pessoa.

A sua vida não tem mais nenhum tipo de relação ou vínculo com a vida da outra pessoa. Isso significa que a sua felicidade não depende mais dessa pessoa. O seu bem-estar não depende mais dessa pessoa. A sua auto-estima não depende mais dela. Nada depende mais dela! Você não precisa mais dessa pessoa na sua vida. Nem nunca precisou! A verdade é essa. O que você precisa é de um corpo com saúde, ar pra respirar, comida, água potável, roupas, itens de limpeza e uma casa pra morar. Se você ainda tem a sorte de ter amigos e uma família, você precisa dela menos ainda! Mas muito menos do que você está tendo consciência nesse momento. A grosso modo, é isso. Não coloque dependência onde não tem. Seja racional nesse momento.

“Mas, Elisa, se ele(a) me abandonou, como a minha auto-estima pode se manter diante disso?”

A sua auto-estima, como o próprio nome diz, diz respeito à sua estima por você mesmo(a). Aonde está o outro nisso? Cabe a você olhar para tudo o que aconteceu e não deixar que nada disso te abale: que não abale os seus valores enquanto pessoa. Porque você pode ter acertado, errado, feito isso ou aquilo, enfim! Pode ter acontecido de tudo. Mas, ainda assim, eu tenho certeza que você tem seus próprios valores, suas opiniões, e suas crenças dentro de si. Suas qualidades. Agora é a hora de você recuperar tudo isso e resgatar o valor que você tem para você mesmo(a). Você pode. Você consegue. Ninguém é capaz de tirar isso de você. É você quem não pode se colocar pra baixo porque a outra pessoa escolheu não estar mais com você, ou só porque não deu mais certo estar com ela e você escolheu deixá-la. Lembre-se que uma relação é feita de dois! Não existe um culpado. Apenas não deu certo! O outro tem o direito de não estar mais com você. E você tem o dever de continuar mesmo sem ele(a), ok?

Leia essa frase 3 vezes seguidas: as atitudes que o outro tem com você não são capazes de qualificar o seu valor próprio. Só você tem essa capacidade.

O seu amor próprio independe da outra pessoa. Ela vai embora, mas o seu amor próprio fica.

  • Não fique pensando nas razões do término. Apenas o fato é o importante agora.

Se atenha ao fato de que vocês terminaram. Não deixe a sua cabeça ficar te torturando, tentando analisar o que levou o relacionamento a acabar. E ainda, ficar pensando “E se eu tivesse feito isso ao invés de aquilo?”. Eu sei que isso é quase impossível, mas quando você perceber que está fazendo demais estas análises, pare! Isso não vai mudar em nada o que já aconteceu! E os fatos não são lineares assim, do tipo A causa B. Você definitivamente não tem como saber o que teria acontecido se o seu comportamento tivesse sido diferente. E, convenhamos: se tivesse dado para agir diferente você teria agido, correto? Então, caia na real de que você fez o que foi possível pra você fazer. Você apenas viveu. Você não seria capaz de salvar um relacionamento sozinho(a), nem que você fosse perfeito(a). Um relacionamento é feito de dois e esse somatório é que dá um resultado. Então, pense assim: “Terminamos. O que farei agora comigo e com a minha vida?” Isso, sim, vale a pena pensar.

  • Nunca duvide da sua força.

Saiba que você vai superar, assim como provavelmente já superou outros términos. E, se nunca passou por um, pense que milhões passam por isso todos os dias e superam. Por que você não superaria também? Quando um ciclo na nossa vida termina, nós não temos escolha a não ser continuar vivendo até que o próximo se inicie. E isso vai acontecer com você. Nunca duvide do quão forte e capaz de superar coisas difíceis você é. Se você não sabe como, viva um dia de cada vez e você aos poucos irá superando, se reinventando e pode até mudar pra melhor! Respeite o seu tempo de luto desse relacionamento, permita-se ficar triste e chorar pelo fim, mas depois disso retorne para a sua vida. Ela vale muito a pena! Acredite na sua capacidade de vivenciar momentos muito bons e de construir coisas novas, independente de ter alguém do seu lado.

  • Haja na sua vida em prol da sua recuperação.

Superar um término exige o seu engajamento. A afirmativa de que “O tempo cura tudo” é falsa. O tempo sozinho não vai curar a sua ferida! O que vai curar vai ser o quanto você se importa com você mesmo. O quanto você quer sair dessa. Pare de ficar pensando fixamente naquela pessoa como se ela fosse a única solução pra sua vida ou a única motivação para continuar vivendo. A vida está lá fora, como sempre esteve. E nela tem tanta coisa boa pra você viver, descobrir, saborear. Permita-se pelo menos reconhecer isto. Você quer se dar uma nova vida depois desse relacionamento? Ou você prefere ficar no buraco indefinidamente, achando que a sua vida não tem mais jeito? Vou te dizer uma coisa: a única coisa que não tem solução na vida é a morte. Fora isso, levante e ande. Vá em direção à sua felicidade. Se não der pra ir andando, rasteje. Se não der pra rastejar, engatinhe. Mas vá. Se preocupe com a sua felicidade! E essa pessoa não tem mais relação com ela! Não queira carregar o outro nas costas e nem ser carregado(a) por ele. Aprenda a caminhar com as próprias pernas! Coloque-se como prioridade na sua vida e tudo começará a mudar. O primeiro passo acontece dentro de você… Acorde para o esplendor da sua vida! Construa uma vida melhor! Seja a melhor versão de você mesmo(a)!

– Ponha aquela música que você adora pra tocar e dance!

– Faça aquele programa que você nunca fazia porque o(a) ex não gostava. Vai visitar aquele seu amigo que você não vê há muito tempo, curtir aquele show de metal (ou seja lá do que for) que ele(a) detestava!

– Planeje uma viagem, sozinho(a) ou com amigos. Vá ver coisas novas!

– Se permita passar um dia em casa vendo filme se essa for a sua vontade! Não é porque você terminou que você precisa sair pra night imediatamente para “pegar” alguém. Não se force a nada. Ficar com alguém novo não necessariamente significa virar a página!

– Busque atividades novas em grupo para te animar. Tem tanta coisa por aí para se fazer! Uma aula de dança, um vôlei de praia, uma luta… Movimentar o corpo e conhecer novas pessoas pode fazer bem.

Enfim, seja criativo(a)!

  • Retire do seu campo de visão tudo o que possa lembrar a pessoa ou o relacionamento

Pode parecer simplista, mas a frase “o que os olhos não vêem, o coração não sente” quase cabe como uma luva para o término. Isso porque retirar do seu campo de visão a maioria das coisas que possam lembrar aquela pessoa pode te ajudar bastante a reduzir o sofrimento e a focar mais em você e na sua vida. Uma lembrança que venha à sua mente ainda é menos dolorosa do que aquela que vem ao olhar uma foto de vocês dois ou aquele presente que ele(a) te deu no dia dos namorados. Os objetos trazem uma concretude à lembrança que podem te fazer sentir uma dor mais intensa. Fora que, quanto menos objetos no ambiente que te façam lembrar a pessoa, melhor será para aliviar a sua dor. Então, aos poucos, vá retirando as fotos dele(a) do seu Facebook, vá guardando os objetos que você associa ao relacionamento. Vá fazendo isso no seu tempo. Se for possível, pedir que a pessoa te entregue suas coisas que ficaram na casa dela e você devolver a ela as que ficaram na sua também pode ser interessante para ajudar a concretizar e processar a separação (é como um ritual).

Observação importante: preste atenção se você acha que se sentirá melhor fazendo essas coisas que indiquei neste item. Se você achar que ficará pior fazendo isso ou que ainda não é o momento, não faça. Cada passo deve ser dado no seu tempo, e você não precisa levar isso à risca. Encontre a sua melhor forma de se despedir desse relacionamento. Essa é apenas uma sugestão, e tudo varia muito de acordo com o caso e com a pessoa. Portanto, não force nada que vá contra a sua vontade e o seu bem-estar!

  • Não se compare à outra pessoa no pós-término

Cada um é de um jeito, tem uma personalidade, tem uma maneira de lidar com as situações difíceis. E isso inclui um término. Não compare a sua maneira de lidar com o término com o da outra pessoa, e muito menos fique conjecturando sobre o que a outra pessoa deve estar sentindo ou pensando. Muitas pessoas acabam visitando o perfil do(a) ex nas redes sociais, olhando fotos e lendo conversas e comentários, e muitas vezes com isso só acabam por magoarem a si mesmas ao invés de se ajudarem a seguir em frente. Entenda que, nesse momento, você está com a ferida aberta e qualquer coisa – qualquer coisa mesmo! – será motivo para armar as suas defesas e imaginar sempre o pior… Acredite: se você ficar vasculhando a vida do(a) seu ex, você corre o risco até de ver coisas que não existem. Vai começar a imaginar na sua cabeça como está a vida dele(a) como se estivesse melhor do que a sua, o que você nunca vai saber. A verdade mesmo, só quem sabe é a pessoa que está vivendo. Você vai acabar criando uma realidade paralela muito assombrosa e dolorosa pra você. Quer seguir com a sua vida? Não vasculhe, não imagine. Pare de procurar por ele(a), pelo menos por um tempo. É bom você se distanciar e evitar ter contato com essa pessoa para te ajudar a lidar com a separação. Pode ser que um dia vocês se reaproximem? Pode. Mas agora não é o momento.

A vida dele(a) não te diz mais respeito. Pode doer ler isso, mas essa frase é libertadora e vai te proteger de muitos sentimentos e sensações ruins. Ele(a) está lidando da melhor maneira que pode lidar, e cabe a você também lidar com esse término da sua melhor forma. E não tem forma certa ou errada! Se você acha que ele(a) está melhor ou pior que você nisso, que diferença isso faz pra sua vida? Nenhuma! Então siga com a sua vida e não olhe pro lado (nem pra trás). Olhe pra frente.

  • Sentir saudade é diferente de ter um sentimento atual por essa pessoa

Saiba diferenciar a saudade de ainda ter sentimentos por aquela pessoa. É normal sentirmos saudades do que um dia foi bom no relacionamento… Afinal, se um dia nos relacionamos com aquela pessoa, é porque tinha algo de bom nisso. Mas, atualize o sentimento. Não confunda sentir saudade de partes do passado com ter sentimentos pela pessoa. Pode ser que no passado ela era ótima nisso e aquilo, você a admirava e sente saudades daquela época. Mas você sabe que aconteceu várias coisas que culminaram no término. E que, portanto, seu sentimento talvez tenha mudado ao longo do tempo e você pode não ter percebido… Ou então, seu sentimento pode ter mudado hoje mesmo. Agora mesmo. A pergunta é: será que você realmente sente isso que você acha que sente por ele(a) hoje? O que você realmente sente por essa pessoa agora? Cuidado para não criar um sentimento em sua mente com base na saudade que você tem a partir das lembranças… São duas coisas diferentes. Não estou dizendo para você negar qualquer sentimento que ainda exista, e sim para você prestar atenção em atualizá-lo quando necessário. Se uma hora você sentir que o sentimento mudou, não se apegue ao que sentia antes… Permita-se desprender-se quando for o momento.

  • Seja positivo(a)

Só porque tudo parece estar enevoado aonde você está não significa que mais adiante não faça sol.

Assim é quando estamos percorrendo um caminho novo e desconhecido. Por mais que seja difícil, acredite em um amanhã melhor pra você. Você não precisa enxergar aonde tudo isso vai dar. Mas você pode dar o primeiro passo imaginando que vai valer a pena lá na frente. Seja positivo(a) com você. Por você!

.:.

É isso. Espero ter te ajudado! Muito boa sorte. Fé no que virá!